Halloween na Itália?

Amanhã é halloween, conhecido por nós como dia das bruxas, uma comemoração que antecipa o Dia de Todos os Santos (1º de novembro). Será que os italianos também celebram essa data, mais conhecidas em países anglófonos?

Sim, os italianos também costumam comemorar essa data.

Inicialmente, a tradução italiana para tricks or treat? era offri o soffri? (oferece ou sofre?), que fazia um jogo de sons com duas palavras parecidas, como no original.

Mas a festa começou a ser reconhecida na Itália há poucas décadas, principalmente se espalhando por cidades maiores, como Milão, Roma, Turim e Bolonha.

Agora, a pergunta se transformou em “dolcetto o scherzetto?“, algo como docinho ou brincadeirinha?, para que dessa forma as crianças comemorem a noite de Halloween recebendo um doce dos familiares ou amigos.

Já a noite da bruxa em si é de diversão não somente para crianças, mas também adultos, que normalmente vão em danceterias com uma festa a caráter, criando uma atmosfera típica das bruxas.

Para os italianos, é como se essa data fosse um segundo carnaval, seguindo as antigas tradições célticas, de onde a noite das bruxas se origina: homens e mulheres vestidos de diabos, bruxas e personagens macabros, que dançam e se divertem.

Até mesmo na culinária (e como seria diferente se tratando da Itália?) modificou algumas receitas das populações célticas: muitos pratos a base de abóbora, alimento que no outono é muito comum, como risotto, antipastos e tortas salgadas.

Sem falar nos doces, que são as verdadeiras delícias da festa: doces a base de geleia de abóbora e tortas variadas não faltam nas mesas de festa.

Para quem estiver na Itália nessa época e quiser comemorar a noite, algumas cidades organizam boas festas, como Milão, onde acontece o Monsterland Halloween Festival; em Roma, o Bioparco organiza um dia para as crianças; em Turim, acontece o Movement Music Festival e a Horror Experience; e em Florença, existem festas que acontecem nas danceterias históricas Space e Tenax.

Dolcetto o scherzetto?

Foto: Abóboras de Halloween (Reprodução)

Anúncios

Palio di Asti

Nem só de Siena vivem os palios da Itália.

Este mês, mais precisamente no dia 17, acontece o Palio di Asti. Asti é uma cidade que fica na região do Piemonte, a pouco mais de 60 km de Turim, e tem pouco mais de 76 mil habitantes.

Também conhecido como Palio Astese, em uma nomenclatura mais arcaica, a festa é bastante tradicional e vem desde a época medieval. Nasceu para comemorar o padroeiro da cidade, San Secondo, e o ápice da festa é uma corrida de cavalos sem sela.

A festa para padroeiro existe desde o século XII e a corrida provavelmente existe desde o final do século XIII, ambos eventos ocorrendo anualmente sem interrupções, salvo duas exceções nos anos 1860 e em 1930.

A corrida que acontecia na festa do padroeiro no mês de maio e acontecia no Corso Alfieri, desde 1967 acontece dentro de um circuito fechado todo terceiro domingo de setembro. E desde 1988, a corrida acontece na praça Alfieri.

Originalmente, a corrida acontecia em 30 de março. No século XIX, a corrida passou a ser feita no segundo domingo depois da Páscoa. Nesse século, ela mudaria de data mais uma vez, para a primeira terça de maio.

Com o tempo, ela perdeu seu motivo religioso e passou a ser apenas uma corrida de cavalo.

Na década de 1930, a cidade foi obrigada a mudar o nome do evento, pois Mussolini disse que somente Siena poderia chamar uma corrida de cavalos de Palio, passando a se chamar Certame Cavalleresco.

O Palio em si renasceu em 1967, quando também passou a ser realizado em setembro.

É claro que a corrida segue algumas tradições, como um cortejo histórico e antes da corrida propriamente dita, o capitão do Palio deve se dirigir ao prefeito pedindo licença para correr. O prefeito autoriza e dá a proteção de San Secondo.

A corrida é realizada em três baterias com sete participantes cada uma. Os três primeiros de cada bateria vão para a corrida final que decide quem vence o Palio. Os cavalos têm que dar três voltas na praça, um total de 1,3 km.

Diferentemente de Siena que divide o Palio entre contradas da cidade, no Palio de Asti podem participar outras cidades da província de Asti.

Em 1977, nasceu o Paliotto, uma manifestação que acontece na quinta precedente ao Palio e é uma competição entre as cidades participantes do Palio. O prêmio para quem vence esse pequeno Palio é semelhante ao principal, que é um pedaço de veludo valioso.


Sem dúvidas, um evento bem interessante e uma alternativa para quem não consegue ver o Palio de Siena!

Foto: Palio de Asti (Reprodução)

Onde ir no Ferragosto?

O Ferragosto é simplesmente o maior feriado italiano. Se você não sabe o que é, leia esse post que escrevi há alguns anos.

Como o feriado é muito popular, é sempre bom planejar com antecedência porque a Itália sempre para (literalmente) nesse dia.

Aqui vão algumas dicas de lugares:

Rimini

Rimini é um verdadeiro clássico, principalmente quando pensamos em Ferragosto. Por Rimini entende-se toda a reviera da Romagna e o lugar serve tanto para amigos, quanto para casais ou famílias com filhos ou idosos. Na noite do Ferragosto, sempre acontece um show pirotécnico.

Ostia

Falei de Ostia não faz muito tempo nesse post aqui. É o local preferido dos romanos ou daqueles que moram na região do Lazio e não conseguem ir muito longe. As praias são longas e as opções também. É também muito fácil chegar a Ostia, e o local acolhe bem jovens, adultos e famílias.

Salento

Considerado o Caribe italiano, Salento fica na região da Puglia, e chamam atenção suas águas, principalmente as das praias de Otranto. Durante o Ferragosto, além do mar, os turistas podem curtir festas tradicionais, como a Notte delle Spade.

Riva del Garda

Para quem busca uma opção que não seja mar, o lago de Garda é uma boa opção. Tradicionalmente, no dia 15 de agosto, existe uma procissão muito famosa para a Virgem Maria. Em seguida, acontecem shows e muitas vezes, um passeio pelo lago.

Dolomitas

Essa é uma outra opção para quem quer fugir das praias lotadas. Passar o feriado nas montanhas pode ser uma ótima opção para famílias e significa conhecer paisagens de tirar o fôlego, além de estar cercado de natureza. Quem conhece as Dolomitas, não pode pensar diferente!

Fotos: Opções de Ferragosto (Reprodução)

Festa da República Italiana

Hoje é dia de festa na Itália, a Festa da República.

A festa nasceu para celebrar o nascimento da República Italiana. Em 1946, entre os dias 2 e 3 de junho, aconteceu o referendum, no qual os italianos, depois de 85 anos da dinastia dos Savoia (20 deles, uma ditadura fascista), escolheram tornar a Itália em uma república constitucional, abolindo a monarquia.

Após o fim da Segunda Guerra e da queda do fascismo, os italianos puderam ir às urnas para escolher entre a república ou a monarquia. Com pouco mais de dois milhões de votos, a república venceu. O resultado foi oficializado em 18 de junho de 1946.

Essa é uma data diferente do dia 17 de março, pois neste dia, comemora-se a constituição do Estado Italiano, em 1861, a proclamação do Reino da Itália, com a atual capital, Roma.

A primeira comemoração da República Italiana aconteceu em 1948, na rua dos Fori Imperiali em Roma, com uma passeata das forças armadas em honra à República. A manifestação aconteceu na Piazza Venezia, em frente ao monumento dedicado a Vittorio Emanuele II.

Roma normalmente é o palco principal dessa festa, mas em 1961, a vez foi de Turim, a primeira capital da Itália unificada, já que neste ano se celebrava o centenário da unificação italiana.

No ano de 1963, excepcionalmente, a manifestação não ocorreu, pois o Papa Giovanni XXIII estava morrendo. As celebrações aconteceram em 4 de novembro.

Durante a crise econômica na Itália na década de 1970, a festa também foi suspensa por conta de cortes estatais e sociais, passando para o primeiro domingo do mês de junho e abolindo o feriado. Passou a ser feriado novamente somente em 2001.

A festa normalmente tem manifestação mais forte em Roma, a capital, com o levantamento da bandeira italiana no monumento de Vittorio Emanuele II, considerado o altar da pátria, e com a presença de importantes representantes políticos.

Outra manifestação bastante conhecida são os aviões que formam as cores da bandeira italiana no céu (foto). Também não falta as paradas militares. Normalmente, a cada ano, essas paradas têm uma temática. Ano passado, o tema foi os 70 anos do nascimento da República.

À tarde, os jardins do Palazzo del Quirinale são abertos ao público. Esse prédio é a sede da Presidência da República Italiana. Ali, existem apresentações de bandas militares, da marinha, da aeronáutica, entre outros.


Quem estiver por Roma, acho que vale a pena acompanhar ;)

Fotos: Festa da República Italiana (Reprodução)

Corsa dei Ceri

Na próxima segunda, na cidade de Gubbio, na região da Úmbria, acontece a famosa Corsa dei Ceri. Em uma tradução literal, seria uma corrida de velas de cera, mas daquelas bem grandes!

A corrida consiste em levar três ceri, velas enormes, feitas em formato de três santos: Santo Ubaldo, padroeiro de Gubbio, São Jorge e Santo Antão do Deserto. É uma das mais antigas celebrações folclóricas italianas.

O evento acontece anualmente desde 1160, sem interrupções. Atualmente, essa festa tem um papel bastante fundamental tanto social quanto cultural para a cidade, pois os cidadãos aderem muito a festividade.

Tal a importância do evento e sua popularidade que desde 1973, os tre Ceri representam o símbolo da região da Úmbria e também aparecem em sua bandeira.

A festa seria um fruto da transformação de uma oferta de velas que a corporação medieval da cidade doava ao padroeiro, Santo Ubaldo. Essa corporação deu lugar ao transporte das três velas.

Existem outras hipóteses sobre sua origem, mas duas deles são bastante difundidas: a pagã e a heroica.

A pagã teria origem em rituais pagãos precristianos, talvez uma homenagem a deusa da Cerere (por isso o nome ceri), ligada ao nascimento da primavera.  A heroica relembra a vitória sobre 11 cidades aliadas contra Gubbio em 1151, pela intercessão milagrosa de Santo Ubaldo.

Os famosos ceri são feitos de madeira, uma possível representação das antigas velas, coroadas com as estátuas dos santos em questão e tem duas barras laterais, formando a letra H, que permitem que sejam levadas nos ombros: o peso, contando todos os elementos, é de quase 300 kg!

Durante o ano, o cero fica conservado na Basílica de Santo Ubaldo, enquanto os santos ficam expostos na igreja de São Francisco da Paz, igreja da Università dei Muratori.

Para quem estiver na Itália durante esse dia, acho que vale a pena dar uma conferida. Deve ser uma festa bem bonita (e diferentona)!

Fotos: Festa dei Ceri (Reprodução)