Caro Michele: livro

Caro Michele por Una lucciola...

Vamos continuar falando de Natalia Ginzburg porque ela é incrível! ♥

Caro Michele é um romance epistolar escrito em 1973. Três anos depois, foi lançado um filme de mesmo nome baseado no romance, dirigido por ninguém menos que Mario Monicelli.

Michele é um jovem de 23 anos nos anos 70. Vamos conhecendo sua história e de alguns familiares seus e amigos através de cartas que a mãe, a irmã e um ex-caso enviam a ele aos vários endereços que Michele mora ao longo dos meses.

A mãe sente um pouco de rancor por sentir Michele muito distante dela, não tendo a oportunidade de conhecê-lo verdadeiramente. A distância entre os dois e as respostas às cartas da mãe vagas apenas servem para aumentar a distância entre eles.

Com um narrador, que serve para preencher algumas lacunas da história ou para fazer com que compreendamos alguns pontos essenciais dela, a história começa contando sobre Adriana, mãe de 43 anos, separada e sua primeira carta ao filho Michele.

Michele foge da Itália por conta de sua posição política, parte da resistência contra o fascismo italiano. Ele parte primeiramente para Londres, mas depois é obrigado a se mudar para Sussex e Leeds, e por fim Bruges, em Bruxelas.

Além da mãe, ainda temos o pai de Michele, que morre ainda nos primeiros capítulos, as irmãs Viola e Angelica, esta última, uma das personagens centrais, seus maridos, Elio e Oreste, respectivamente, e este último também da resistência, porém menos protestante que Michele.

Dos amigos, temos Osvaldo e sua ex-esposa Ada, e Mara, mãe solteira, que não sabe se seu filho é de Michele ou não, pois dormia com muitos homens ao mesmo tempo.

Com as trocas de correspondências, Natalia vai traçando os perfis de cada personagem e nos dando pistas sobre suas vidas. Para mim, mais que isso, ela nos mostra de forma cruel a solidão e o vazio que existem dentro de cada um deles, cada um lutando contra seus próprios demônios.

É triste. Se há uma definição para esse livro é que ele é profundamente triste. A solidão de cada personagem é horrível e, felizmente ou infelizmente, é em cima disso que todo o talento da Ginzburg se sobressaia.

Infelizmente, quem publicava Natalia Ginzburg no Brasil é a falecida Cosac Naify. Caro Michele é o único sobrevivente em estoque na Amazon. Custa uma paulada (como tudo que a Cosac lançava), mas se entrar em promoção, vai por mim: AGARRE!

Livro fininho (menos de 200 páginas), mas profundo!

Foto: Caro Michele por Una lucciola…

Anúncios

Um comentário sobre “Caro Michele: livro

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s