DOCG, DOC, IGT, DOP e IGP?

Já comprou, foi comer ou beber alguma de origem italiana e reparou em uma dessas siglas – DOCG, DOC, IGT, DOP e IGP – e ficou com um grande ponto de interrogação na cara?

Eu já, rs.

Cada uma delas é uma sigla para um selo de qualidade, ou seja, se o produto que você comprou e/ou consumiu tem uma delas, significa que ele passou por uma seleção rigorosa que garantiu sua qualidade.

Essa nomenclatura acontece especialmente com vinhos (D.O.C. – denominazione di origne controllata; D.O.C.G. – denominazione di origine controllata e garantita; I.G.T. – identificazione geografica tipica) e queijos (D.O.P – denominazione di origine protteta; I.G.P. – indicazione geografica protteta; S.T.G. – specialità tradizionale garantita).

Vamos entender o que significa cada uma delas.

D.O.C.G. (DENOMINAZIONE DI ORIGINE CONTROLLATA E GARANTITA)

Os vinhos com denominação de origem controlada e garantida são regulamentados e identificados a partir de uma zona de origem muito precisa, podendo indicar também uma subzona, ou seja, muito preciso.

Um D.O.C.G. pode ser uma restrição da própria D.O.C., ou seja, se referir a somente uma porção ao invés do território da D.O.C., mas as mesmas regras valem para ambas.

Segundo a lei, um vinho pode ser reconhecido como D.O.C.G. se é há pelo menos cinco anos reconhecido como D.O.C.. Para tanto, eles precisam que passar por um exame duplo.

D.O.C. (denominazione di origine controllata)

Um vinho de denominação de origem controlada tem sua zona de coleta de uvas delimitada, suas características são conectadas ao ambiente natural e aos fatores humanos, respeitando sempre uma conduta de produção específica, aprovada pelo ministério.

Os vinhos D.O.C. são regulamentados e identificados a partir de uma zona de origem muito precisa também.

Os vinhos, para receber esse selo, devem apresentar algumas informações, como: a denominação da origem, a zona de produção das uvas, o rendimento máximo das uvas e de vinho por hectare, as características físico-químicas dos vinho, as condições da produção, a composição dos vinhedos, entre outros.

Quanto mais se aumentam as indicações, mais se restringe o número de produtores e a qualidade do vinho produzido.

I.G.T. (Identificazione geografica tipica)

A identificação geográfica típica é uma terceira forma de classificação dos vinhos. Esses vinhos são produzidos em áreas normalmente amplas, mas ainda seguindo requisitos específicos.

As uvas utilizadas para fazer o vinho devem ser, pelo menos 85%, proveniente da zona geográfica.

Para receber esse tipo de selo, o vinho deve ceder algumas informações, como: a indicação geográfica, a delimitação da zona geográfica, as tipologias enólogas – incluindo as cores, entre outros.

Como obrigação, eles devem apresentar em suas etiquetas: todas as menções previstas para o vinho e o selo da I.G.T. com sua zona geográfica. Informações adicionais ficam a critério dos produtos, como o ano da colheita.

D.O.P. (Denominazione di origine protetta)

O selo de denominação de origem protegida vem atribuído somente por lei aos alimentos de características peculiares que dependem essencial ou exclusivamente do território onde são produzidos.

O ambiente geográfica compreende tanto os fatores naturais, como o clima e as características ambientais, quanto os fatores humanos, como a técnica implantada, que ao serem combinados permitem a geração de um produto único.

O seguimento das normas que garantem a produção de um alimento D.O.P é feito por um organismo de controle específico.

I.G.P. (Indicazione geografica protteta)

O selo de indicação geográfica protegida é garantido para produtos agrícolas e alimentares de uma determinada qualidade, reputação ou outra característica que depende da origem geográfica e cuja produção, transformação ou elaboração acontece em uma área específica.

Para obter esse selo, pelo menos, uma das fases do processo produtivo deve acontecer em uma área específica. Além disso, deve-se atender a regras rígidas na disciplina de produção e tudo isso é garantido por um órgão de controle específico.

Visivelmente, a diferença entre um produto D.O.P e um I.G.P. é feita pelas cores do selo que são amarelo e vermelho, e amarelo e azul, respectivamente, para que as pessoas não se confundissem.

Na lista de ambos, D.O.P e I.G.P., entram vinhos, vinagres, carnes, queijos, azeite de oliva, peixes, verduras, pães, entre outros.

S.T.G. (Specialità tradizionale garantita)

Esse termo de especialidade tradicional garantida foi inserido pela União Europeia, e visa tutelar produções que são caracterizadas por métodos de produção tradicionais.

Ela é voltada para produtos agrícolas e alimentares que tenham uma “especificidade” ligada ao método de produção ou à composição ligada à tradição de uma zona, mas os produtos não necessariamente são produzidos somente em tal zona.

Para ver uma lista de todos os produtos que carregam esses selos de qualidade, clique aqui.

Fonte: Istituto Marchigiano
Foto: Grana padana D.O.P. (Reprodução)

Anúncios

Um comentário sobre “DOCG, DOC, IGT, DOP e IGP?

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s