A cidade da cerâmica

Teatro Romano em Gubbio

A cidade de Gubbio na região da Umbria é considerada uma das capitais históricas da cerâmica na Itália. Com pouco mais de 32 mil habitantes, ela fica na província de Perugia.

É considerada um belíssimo exemplo de cidade medieval, cheia de testemunhos históricos e artísticos, de tradições antigas que ainda se encontram praticamente intactas.

Também é a cidade mais antiga da região, o que pode ser averiguado no Museu Cívico da cidade e também pelos restos da Teatro Romano (foto). Acredita-se que o período mais áureo da cidade tenha sido no século XIV.

Antigamente, a cidade umbra era conhecida como Ikuvium o Iguvium. Uma prova de que Gubbio tem origens muito antigas são as tábuas eugubine, descobertas na metade do século XV. Essas tábuas são um conjunto de sete em bronze, escritas em parte em alfabeto umbro e parte em latino e atualmente estão no Museu Cívico.

Gubbio foi anexada ao Reino da Itália em 1860 e nesse mesmo ano passou de ser uma cidade da região das Marche para compor a Umbria. Muitos emigraram, em busca de trabalho e melhores condições de vida, para países como Luxemburgo, França, Suíça e Alemanha. A emigração terminou somente por volta de 1960.

A cidade também foi marcada durante a Segunda Guerra Mundial.

No dia 22 de junho de 1944, dois oficiais alemães foram mortos em um bar. Os alemães então fizeram uma grande represália, matando com metralhadoras 40 cidadãos inocentes perto da igreja Madonna del Prato. Atualmente, existe um mausoléu que lembra os “40 mártires”.

Além disso, por quase 30 dias – terminando em 25 de julho de 1944, dia da libertação -, a cidade foi duramente bombardeada pela artilharia alemã.

Na parte religiosa, a cidade é ligada à história de São Francisco por conta de episódio em especial mencionado no 20º capítulo livro “Fioretti di San Francesco” ou As Pequenas Flores de São Francisco de Assis, que conta a vida do santo e seus discípulos.

Esse episódio é o encontro do santo com o lobo que ficava na região da igreja Santa Maria della Vittoria. Pode ser que o lobo – ou loba – seja uma metáfora para um bandido que se reconciliou com a cidade por conta de Francisco, mas muitos insistem que era o animal mesmo.

Francisco teria feito o sinal da cruz e nesse mesmo instante o lobo teria fechado a boca e corrido para se deitar aos pés do santo. Na cidade, ele também encontrou refugio depois de se afastar de Assisi.

Muitos dizem que foi a experiência em Gubbio, quando Francisco conviveu com os pobres e leprosos da cidade, que sua vida mudou completamente. Justamente por isso, a cidade é dos lugares que faz parte da peregrinação conhecida como “Cammino di Assisi“.

Passar pelo centro histórico da cidade, além de relembrar toda a história através de seus prédios monumentais, é possível encontrar muitas lojas artesanais, onde se encontram produtos ligados à cerâmica, além do ferro e ouro.

A árvore de Natal de Gubbio entrou no livro dos recordes por ser a maior do mundo. Ela é construída no Monte Ingino, que domina a vista da cidade, com mais de 450 luzes coloridas. Na base da árvore, um presépio enorme também.

Além da cerâmica, a cidade também é conhecida por suas trufas, não as de chocolate, mas os cogumelos. A trufa branca serve como condimento para muitas massas e até hoje elas são produzidas respeitando antigas técnicas.

Quem eu vejo que conheceu a cidade, se encantou completamente. Deve haver os seus porquês ;)

Fotos: Gubbio, na Umbria (Reprodução)

Anúncios

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s