Fernando de Noronha

Fernando de Noronha por Una lucciola

Fernando de Noronha por Una lucciola

Esse ano não teve Itália, mas teve Fernando de Noronha, que como bióloga, eu sempre tive o sonho de conhecer, mas alguns anos atrás, era algo bem distante ($$$). Hoje, a ilha se tornou mais acessível, não só financeiramente falando.

Li bastante antes de ir, mas ainda me senti despreparada, não sabia o que esperar de lá, além dos muitos “nãos“, já que quase tudo é proibido na ilha.

Preparem-se para um post (MUITO) longo. Até pensei em dividi-lo, mas hey, perderia (mais) o foco do blog! rs – ainda assim, espero poder ajudar futuros viajantes, que tenham dúvidas parecidas com as que eu tinha.

A ilha

Fernando de Noronha é um arquipélago formado por 21 ilhas e ilhotas, ocupando uma área de 26 km², sendo que a ilha principal tem 17 km². Faz parte de Pernambuco e fica a 545 km de Recife e 360 km de Natal. A África fica mais perto de Noronha do que São Paulo por exemplo. A população é de cerca 2,300 pessoas.

Foi capitania de Fernão de Noronha e invadida várias vezes por ingleses, franceses e holandeses. Antes de ser um paraíso turístico, foi colônia prisional de 1737 a 1942. Pertence a Pernambuco desde 1988.

A grande (e talvez a única) fonte de renda dos moradores é, de uma forma ou de outra, o turismo.

Chegando na ilha

Você consegue chegar à ilha através de duas companhias aéreas em voos limitados, a Trip (operada pela Azul) e a Gol.

A Trip sai tanto de Recife (1h de viagem) por volta das 14hs quanto de Natal (50 mins) por volta das 11hs. A Gol sai somente de Recife, também por volta das 14hs.

Os voos de volta são exatamente os que chegam na ilha (depois das pessoas desembarcarem). Ou seja, Trip para Recife, por volta das 17hs, e para Natal por volta das 18hs; e pela Gol, partindo por volta das 16:30 para Recife.

Também é possível chegar à ilha através de embarcações particulares.

TAXAS

Para entrar na ilha, deve-se pagar a taxa de preservação ambiental que atualmente custa R$45,60 por dia. É possível pagá-la pela internet pelo site da ilha. Isso irá adiantar muito sua vida no desembarque (a fila para quem paga na hora que chega é grande).

Importantíssimo: se você resolver ficar mais dias na ilha, avise com antecedência, antes de vencer a data de saída inicial. Do contrário, você pagará a taxa de permanência do dia em dobro. Caso saia antes, terá direito à restituição.

A taxa deve ser paga dois dias úteis antes da entrada na ilha. Junto com o comprovante de pagamento, também leve impressas a guia de identificação e a ficha de controle migratório.

O Parque foi privatizado no final do ano passado, o que implica em mais uma taxa. Ao chegar na ilha, você tem que fazer um cartão para permitir sua entrada nas áreas protegidas da ilha (praticamente todas). O preço é de R$75,00 para brasileiros e R$150 para estrangeiros.

Você pode fazer a carteirinha próximo do auditório do Projeto Tamar e na Cia da Lua (no centro). Acredito que seja possível fazê-la no aeroporto também, mas não tenho certeza.

Carrega-a com você, a entrada no Parque é feita por código de barras ou caso você decore o número da carteirinha. Ela é válida por 10 dias.

CLIMA

Fernando de Noronha é quente o ano inteiro. A média anual é de 27ºC. O mais importante é observar a época de chuvas. Os meses de setembro, outubro e novembro são considerados os melhores para mergulho por serem meses de seca. Já fevereiro é considerado um ótimo mês para surf, tanto que a ilha recebe uma etapa do Mundial de Surf nessa mesma época.

Hospedagem

Fernando de Noronha tem praias belíssimas, é fato, mas a situação da cidade em si é bem precária e a população da ilha vive exclusivamente do turismo.

A hospedagem na ilha pode ser feita nas pousadas domiciliares, intermediárias ou de luxo.

As pousadas domiciliares são as mais baratas e as que estão em maior quantidade na ilha. O preço da diária é cerca de R$300 e normalmente incluem café da manhã. Elas podem ter ou não ducha quente, ar condicionado e wi-fi. São o tipo de hospedagem mais procurado. Elas são casas de nativos (ou não), que disponibilizam os quartos da residência para os turistas. É como se fosse um B&B (Bed and Breakfast).

As intermediárias são quartos separados (não dentro de uma casa). São normalmente mais completas que as domiciliares, incluindo ducha quente e ar condicionado, e isso influencia no preço, que normalmente custa cerca de R$600,00 a diária.

Já as de luxo… bom, são realmente muito superiores aos outros dois tipos de hospedagem. O preço cabe no bolso somente dos mais bem afortunados (rs): entre R$1,200 a R$2,000 – em baixa temporada. Ai!

Os pacotes normalmente são feitos com as pousadas domiciliares. No meu caso, nós tivemos alguma alteração no pacote (não sabemos o quê) e fomos mandados, por sorte, para uma intermediária sem custo adicional. Ficamos na Pousada do Francês.

Sinceramente, R$600,00 não valem a estadia. O pessoal é muito atencioso e prestativo, a localização é ótima, mas o café da manhã não é lá grandes coisas (incluindo geleia podre, rs) e o acesso (a rua) é difícil, especialmente em meses chuvosos, quando a estrada vira lama pura, e sendo o solo vulcânico, se pegar na sua roupa, é um abraço.

Importante ter em mente que quando se fecha pacote, você nunca sabe para qual pousada você vai acabar indo (fica sabendo alguns dias depois de ter fechado o pacote): pode ser próximo ao centro… ou não!

Resumindo: a não ser que você seja rico e possa pagar uma diária de R$2,000, não espere conforto! rs

Locomovendo-se

A ilha é pequena, portanto, é possível deslocar-se por ela a pé. Caso não queira, existem duas linhas de ônibus que passam a cada meia hora (sim! rs) e passam pelos pontos principais da cidade – aeroporto, Projeto Tamar, centro, praias etc. O preço da passagem é R$3,00.

Também existem os táxis. A pousada normalmente tem o telefone e chama para você. O preço é salgado, considerando que o preço da gasolina é R$4,18!! Mas vale em últimos casos (para não perder a hora) ou no momento do cansaço extremo.

É possível fazer aluguel de bugue ou moto. O preço do bugue é cerca de R$150,00 a diária, mas reza a lenda que entre Natal e Ano Novo, os preços podem chegar a R$700,00 devido à procura. O da moto não faço ideia.

Caso você feche pacotes com agências de turismo locais (para passeios), eles fazem o serviço de leva e traz, e você não precisa se preocupar com seu deslocamento.

Alimentação

Prepare o bolso.

Água, R$5,00. Sorvete picolé, R$8,00. Refrigerante, R$5,00. Cerveja, R$6,00… e assim vai.

Acho que esse foi um dos aspectos que eu achei mais caro da ilha. Se você for sozinho, pode separar uns R$70,00 por refeição, pois você não consegue dividir pratos. Caso esteja em dois, é possível comer com R$50,00.

Alguns restaurantes realizam transfer, te buscam e te levam até a pousada. Os dois que eu vi que fazem isso foram o Cheiro Verde e o Du Mar, ambos próximos do Auditório do Tamar.

Se quiser sobreviver de lanche também é possível, mas não espere gastar muito menos que R$20,00.

Talvez seja interessante fazer apenas uma refeição por dia (almoço ou janta) e um lanche. Comprar coisas no mercado pode te ajudar a economizar, mas não muito. O guia disse que o quilo do arroz custa R$8,00!

Para cada quilo de alimento que entra na ilha, paga-se R$1,20 de taxas e isso resulta em preços inflacionados. O que eu sinto é pela população local, que paga o mesmo preço que a gente.

É uma exploração ao turista? Sim. Mas não somos só nós que pagamos esse preço. O custo de vida é altíssimo para os locais também. Pense nisso ;)

Pessoalmente, recomendo o Flamboyant, que fica no centro. No almoço é self-service (e sai em conta); à noite é à la carte.

O que fazer?

Existem vários passeios providos por agências locais e que normalmente são os mesmos (não sei nem se o valor muda, acredito que não). Fechamos todos os nossos passeios com a Atalaia porque foi a empresa do nosso pacote.

As opções são:

  • Ilha-tour*
  • Passeio de barco*
  • Caminhada histórica*
  • Prancha VIP*
  • Trilha Atalaia
  • Trilha Golfinho
  • Trilha Leão
  • Prancha Submarina
  • Navi
  • Entardecer

As trilhas têm saídas sob consulta e o uso do tênis obrigatório. Verifique a possibilidade de usar filtro solar antes. Acredito que você também tenha que assinar um termo de responsabilidade (se tem doenças cardíacas, toma remédio controlado, etc). Custam cerca de R$80,00 por pessoa.

O Navi é o barco com chão de vidro. Não sei o preço, mas ouvi falar que é bem salgado. Caso você mergulhe (ou nade ou nenhum dos dois, mas tem coragem, rs), recomendo o mergulho, que falarei mais a frente.

O entardecer é um passeio de barco, que sai do Porto em direção ao Morro dos Irmãos com parada para banho normalmente na praia da Conceição, onde se admira o pôr-do-sol. Se não me engano, alimentação inclusa. Cerca de R$150,00 por pessoa.

A Prancha Submarina é parecida com o Barco VIP (mais abaixo), mas é feito exclusivamente isso (sem refeição) e a pessoa fica uma hora mergulhando. Cerca de R$90,00 por pessoa.

Os com * são os passeios que fizemos e que falarei com mais detalhes aqui em baixo.

ILHA-TOUR

Para mim, é o imperdível. Recomendo fazer no primeiro dia. Ele tem duração de umas 10 horas – saímos às 8hs e ficamos até o entardecer às 18hs. Você percorre a ilha inteira em uma caminhonete com três paradas para banho (no meu caso foram: praia do Sancho, baía dos Porcos e praia do Sueste) e uma pausa para almoço inclusa no pacote. Se não me engano, só não se passa pela praia do Atalaia, baía dos Golfinhos, do Cachorro, do Meio e da Conceição (os últimos três são feitos na Caminhada Histórica). É cansativo, mas te dá uma visão geral da ilha. Depois disso, você pode alugar um bugue e voltar nas praias que mais gostou (pois já tem uma noção do que é a ilha). Imperdível mesmo – R$90,00 por pessoa

PASSEIO DE BARCO E PRANCHA VIP

Os dois passeios são bem parecidos. Eu sinceramente recomendo fazer ou um ou outro, ou pelo menos fazer em dias diferentes. Nós fizemos no mesmo dia (eu não fiz a Prancha VIP porque mergulhei, então não foi maçante para mim), então passamos pelo mar de dentro duas vezes.

A Prancha VIP é porque mergulha (tanto superfície quanto mais a fundo, se você tiver fôlego) por uma meia-hora através de uma prancha ligada ao barco. A refeição é servida no barco, tanto durante o dia quanto à tarde: churrasco (carne e linguiça) e peixe.

O passeio de barco sai do Porto, passa pelas ilhas vizinhas e segue pelo mar de dentro até a Ponta da Sapata (o outro extremo da ilha), coisa que a Prancha VIP não faz. Tem uma parada para banho (no nosso caso, praia do Sancho) por 40 minutos.

Ambos os passeios têm duração de três horas e geralmente saem todos os dias de manhã e à tarde.

Ah sim, qualquer um dos dois é mais interessante durante o dia, pois você consegue ver os golfinhos chegando na baía ;)

Passeio de barco: R$90,00; Prancha VIP: R$150,00 (ambos por pessoa)

CAMINHADA HISTÓRICA

Esse passeio estava incluso no nosso pacote e achei muito legal porque, como o nome sugere, fala sobre a história da ilha. Só não recomendo fazer logo depois do ilha-tour, caso você seja sedentário como eu (rs): minhas pernas simplesmente não aguentavam, hahaha.

A caminhada começa na Vila dos Remédios, a parte histórica da cidade. Você passa pelo Forte Nossa Senhora dos Remédios, onde você tem uma vista incrível da ilha. Segue em direção à Igreja de mesmo nome (a padroeira da cidade) e termina no Forte São Miguel, onde fica a administração da cidade.

No meio tempo, ainda passa pelo museu da cidade (Espaço Cultural Américo Vespúcio), que conta mais ainda de sua história através dos painéis e passa pelas praias do Cachorro, do Meio e da Conceição (com uma pausa para banho de 40 minutos) – nosso guia foi preguiçoso e só nos levou para a do Cachorro, rs.

Tem muita gente que nem pensa em fazer, mas eu recomendo para saber mais da ilha e da situação atual dela. É triste ver o descaso com a população – e mais duro ainda saber que a taxa de preservação ambiental NÃO fica na ilha… pois é!

Preço por pessoa: R$45,00.

MERGULHO

Ir a Fernando de Noronha e não mergulhar é como ir à Itália e não comer massa, rs. O lugar é simplesmente considerado o melhor para mergulhar do BRASIL!

Não importa se você sabe nadar ou não, se já mergulhou ou não. Eu por exemplo não sei nadar, mas era um desafio pessoal somado a vontade de ver o que tinha embaixo d’água (alooou, diploma de biologia! rs).

Custou R$320,00 e fiz pela Águas Claras, o que eles chamam de “batismo” – para quem nunca mergulhou ou quem já mergulhou, mas não tem certificado. Acho que é o único batismo do Brasil que te leva de 5 a 12 metros.

O preço inclui todo o equipamento e o mergulho dura cerca de 25 minutos. Todas as instruções são passadas no barco, ao longo do caminho. Durante o mergulho, o instrutor segura na sua mão o tempo todo e vai de acordo com o seu ritmo. Se você não conseguir, provavelmente farão somente o mergulho de superfície.

O local do mergulho é decidido no dia, dependendo das condições da maré. O meu foi entre a Ilha do Meio e a Ilha Rata.

A transparência da água é sem comentários. Caso você não tenha máquina a prova d’água (que aguentam até somente 5 metros), eles alugam máquinas com a capa de proteção. Se não me engano, custa cerca de R$50,00 a diária.

Durante o mergulho, um serviço de foto e vídeo é oferecido. Cada foto sai por R$35,00 (e o preço diminui depois de 5) e o vídeo por R$150,00 (se a extensão for para rede sociais) ou R$250,00 o DVD. Ui!

Importante: não pode pegar avião no mesmo dia do mergulho!

PALESTRA DO PROJETO TAMAR

Separe uma noite para assistir uma das palestras no auditório do Projeto Tamar.

Cada noite, uma palestra diferente acontece. Na noite em que fomos, foi sobre o projeto dos Golfinhos Rotadores, foi bem informativo e interessante.

As palestras acontecem diariamente das 20 às 21 hs. Também existe a lojinha, cujo lucro é todo revertido para os projetos e outros espaços que mostram as espécies marinhas que podem ser encontradas na ilha.

O auditório fica na Alameda do Boldró e funciona diariamente das 9 às 22 hs.

VIDA NOTURNA

Caso você aguente (rs), existe uma pequena vida noturna na cidade. Mas pequena mesmo. A grande badalação fica no Bar do Cachorro, acima da praia de mesmo nome. A partir das 22 hs, reggae e forró se alternam durante os dias da semana, com uma participação do maracatu em alguns dias também.

Eu disse aguente porque fica difícil levar uma vida noturna acordando às 7hs para fazer os passeios! Sem levar em consideração o cansaço que chega à noite. Normalmente às 21 hs, eu estava na cama, obrigada! rs

Na Vila dos Remédios também existe uma feirinha noturna, mas não sei se ela fica todos os dias ou somente aos finais de semana, já que fomos no sábado. Você encontra artesanatos e comidinhas!

Outras informações

Não tenha medo de caminhar pela ilha. Por ser pequena, todo mundo conhece todo mundo e o índice de roubos, etc é muito pequeno. Pode andar tranquilo, durante o dia ou à noite, sem medo de ser feliz.

Acredito que na ilha tenha apenas um hospital, uma escola e possivelmente uma farmácia (rs). O hospital e a escola ficam próximo ao centro e a farmácia na Vila dos Remédios.

É bastante possível andar pela ilha sozinho, para visitar as praias com mais tranquilidade. Vale lembrar que a maioria das praias não tem estrutura, portanto, leve sua água e seus lanches ou terá que voltar para o centro para comer. A única que tem bar à beira é a do Cachorro.

A ilha possui recursos limitados, inclusive água. Muitas pousadas regulam seu uso porque é bem limitado mesmo. É importante lembrar de desligar a luz e o ar-condicionado ao sair, não demorar tanto no banho etc.

Lembre-se que nada, absolutamente nada pode sair da ilha com você (tirando os souvenirs, rs). O mais importante é lembrar de devolver a guia de identificação no check-out, você irá precisar do código de barras dela liberado para poder ir à sala de embarque. Ela basicamente confirma que você está indo embora e contém sua avaliação da hospedagem.

A ILHA DOS ‘NÃOS

Não alimente ou toque nos animais. Muito menos pule na água quando vir os golfinhos: a multa pode chegar a R$2,500 caso você seja pego por um fiscal do parque. Existem praias, como a do Sueste, que você só pode boiar, não pode encostar o pé no chão, por conta dos recifes de coral.

Verifique antes se na praia que você vai pode usar filtro solar. A praia do Atalaia é a única que eu sei que não pode por ela ser considerada um berçário marinho (filhotes de peixes), portanto, você tem que fazer a trilha de chapéu, sem filtro (na volta, OK) – ou não poderá entrar na água.

SOUVENIRS

As famosas lembracinhas podem custar caro. Se a água é cara na ilha, imagine um chaveiro: R$12,00 cada. Imãs de geladeira também não saem tão mais barato.  Difícil achar lembrancinha a R$5,00 que seja bonitinha. Não quero parecer sovina, mas faça R$12,00 x 20 pessoas. É bastante dinheiro, considerando que a pessoa provavelmente nem vai usar.

Uma das lojas que eu gostei foi a Marlin Azul, que fica um pouco acima do centro (sentido oposto da Vila dos Remédios). A loja do Projeto Tamar também tem coisas muito legais, mas caras.

A Cia. da Lua tem no centro e aeroporto, também tem coisas bacanas, mas um pouco caras. Aliás, no aeroporto existem algumas lojinhas, inclusive uma do Projeto Tamar. Ótimo para o caso de você lembrar de alguém que esqueceu, rs.

Meu maior conselho (se fizer questão de levar lembrancinha): selecione bem sua lista, rs!

Fernando de Noronha é realmente tudo isso que as pessoas falam. Eu não sou uma pessoa praieira, pelo contrário, antes dessa viagem, a última vez que tinha ido à praia foi 2007 \o/ – mas mesmo assim, curti muito e quero voltar!

Foram apenas três dias, mas muito bem aproveitados. Se você planeja fazer trilhas, recomendo ficar pelo menos cinco. Mais de sete dias, eu acho que fica mais do mesmo.

Mas tenho que dizer: vale cada centavo! ;)

Fotos: Fernando de Noronha por Una lucciola…

Anúncios

3 comentários sobre “Fernando de Noronha

  1. Thais Helena disse:

    Ciao bella!
    Fernando de Noronha também é um dos meus sonhos conhecer, e pensar que já estive bem próxima, em Natal e João Pessoa, mas não foi po$$ível naquele momento… apesar de também lamentar que tudo seja tão caro, vejo isto com bons olhos para que este paraíso permaneça por mais tempo, com essa restrição de acessos, sabe? Nem todas as pessoas são conscientes das interferências que podem causar a um frágil ecossistema em apenas um passeio…
    Uma linda viagem realmente!
    Baci bella!

    Curtir

    • Isabela disse:

      Ciao, bella!
      Mas certamente, concordo que os preços devam ser um pouco alto para limitar as pessoas que têm acesso a ilha. Infelizmente, em pleno 2013 as pessoas não têm a mínima consciência de seus atos em relação ao meio ambiente. Espero que esse quadro mude futuramente e mais pessoas possam desfrutar um pouco desse paraíso que é Noronha. Vale muito a pena mesmo! E talvez o fato de ela ser tão ‘proibida’ a deixe ainda mais bela!
      Baci e buona settimana a te ;)

      Curtir

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s